quinta-feira, 21 de agosto de 2008

05 livros que me tornaram leitora...

O semestre derradeiro chegou. Dia 9 de janeiro de 2009 devo receber meu diploma de jornalista. E por incrível que pareça esse deve ser o semestre que devo escrever “menos”. Não que fazer a monografia seja pouco trabalho escrito, ou ainda realizar meus dois projetos de ensino, mais estágio de jornal e ainda o restante das cadeiras. A verdade é que num comparativo entre o que eu vou escrever e o que eu preciso ler, a segunda opção ganha disparado.

Eu quero tornar os próximos meses nos mais prazerosos e memoráveis possíveis. Ou seja, passar tanto tempo lendo não me incomoda, até me diverte. Sempre gostei de ler. Antes de desbravar o mundo das palavras com os meus próprios olhos, já adorava ouvir histórias. Agora eu fico pensando o que será daqueles que não tem o hábito da leitura?

Nunca é tarde para desenvolver o costume de devorar as páginas de um livro. Se alguém não teve a sorte que eu tive de ter uma mãe professora de português que ganhava coleções de livros ou então um irmão mais velho que mesmo morando longe sempre te mandava um livro de presente, eu vou dar uma chance. Plagiando o Topismos, aqui vai a minha lista com as obras que me tornaram leitora:

5) O mistério da cidade fantasma – Marçal Aquino: quem nunca leu um livro se quer da Coleção Vagalume, não teve infância!!! Se tratava simplesmente da seleção de histórias mais legais, dos autores mais interessantes. É claro que tinham alguns exemplares que não faziam muito a minha cabeça, especialmente aqueles que eram cheias de moralzinha e ensinamentos. Meu interesse mesmo estava nos livros de mistério, como este que eu adorava. Não é a toa que mais tarde fui virar leitora de Agatha Christie. Marçal Aquino era meu segundo escritor predileto, o primeiro tu descobre depois...

4) Um conto de Natal – Charles Dickens: sabe aquelas histórias que tu ouve um zilhão de vezes e acha o máximo, mas nem sabe quem a criou? Eu lia sem parar essa história em um dos volumes do Tesouro da Juventude (pessoas pós-anos 90, não devem saber do que se trata). Eu precisei crescer um pouquinho para descobrir que o conto sobre um velho sovina que recebe a visita dos fantasmas do passado, presente e futuro, se tratava na verdade de uma das obras de um escritor fabuloso chamado Charles Dickens. Depois disso foi só mergulhar no mundo do Oliver Twist e de Grandes Esperanças...

3) O cavaleiro da rosa no supermercado – Antônio Hohlfeldt: leituras escolares obrigatórias nunca me incomodaram muito (pelo menos até a chegada do período pré-vestibular). Esse livro li na sexta série e falava sobre um rapaz pobre que se mudava para uma cidade grande (Porto Alegre). Lembro que o autor foi até na minha escola conversar com os alunos. Eu era fascinada pela história porque me identificava com o personagem Alexandre, e tinha certeza (e ainda tenho) que o local onde ele trabalhava é o supermercado que fica aqui do lado do meu prédio. Mais tarde, coisa do destino, o escritor veio se tornar meu professor na faculdade, na cadeira de Leituras em Jornalismo, uma das mais interessantes que já tive...

2) Sozinha no mundo – Marcos Rey: aqui está meu autor predileto da coleção Vagalume. Dificilmente tinha um livro de Marcos Rey que eu não gostava (com exceção dos poucos em que ele quis dar uma mexidinha com ficção científica, que não é a minha praia). Mas o meu livro de cabeceira e coração era Sozinha no mundo. Bem que tentei encontrar uma imagem boa da Pimpa para colocar no meu álbum de alter-egos no orkut, mas não achei. Eu amava tanto esta história triste, emocionante e misteriosa, que cheguei a recomendar para a minha mãe colocar como leitura do semestre para os alunos dela. Se eles gostaram ou não, não sei dizer, só sei que este livro sempre foi parte importante da minha história...

1) A casa das 4 luas – Josué Guimarães: finalmente o livro que mais me encantou ainda criança. Foi na quinta série que li A casa das 4 luas pela primeira vez. Todas aquelas imagens construídas pelo escritor gaúcho me deslumbravam e me levavam para o mundo daquele grupo de crianças que sai para acampar. O que eles vão descobrindo aos poucos é o mundo muito alem das cercas do sítio da família. Depois disso, Guimarães virou um dos meus ídolos, inclusive obriguei a minha mãe a comprar outros livros dele pra mim, mas nenhum se equiparou à Casa das 4 luas!

No próximo Receituário: mais uma ladainha...

8 comentários:

Denis Pacheco disse...

"Eu lia sem parar essa história em um dos volumes do Tesouro da Juventude (pessoas pós-anos 90, não devem saber do que se trata)".

Eu andava com volumes predeterminados de Tesouros da Juventude escolhidos justamente pelos trechos de textos q mais me agradavam, ahahahaaa (bizarra nossa infancia)

Adorei sua lista de livros, senti um toque regional de autores q eu nao conhecia, mas agora fiquei curioso. Mude-se pra sp e me empreste os livros, rs

Perfect :) disse...

Shining, por isso que te amo!!! Essa tua lista é bem parecida com a minha - se eu fizesse uma. Só não li o do Holffeldt!!! Qq hora eu leio!! bjuuuuuuuuuusssss

Ingrid Guerra disse...

Eba, atualizações. Sua gêmea boa/má, aqui, não teve o privilegio de uma família dedicada à literatura, mas nossa infância (quase) compartilhou dos mesmos autores. E devo a ti a recordação do título do meu livro favorito da infância (já que minha memória não guarda nomes) e conseqüente ‘produção’ do post: Histórias de minha vida (deveria ter escrito com E, agora azar). Não lembrava que Josué Guimarães também era seu queridão. Vou adicionar este livro a minha lista de leituras. Aliás, você também não me contou que o Hohlfeldt tinha visitado sua escola. Que jóia! Eu não conheci nenhum autor em minha infância. Mas amava as aulas de Leituras em jornalismo. Boa sorte com a mono, ma petite.

Josiane disse...

Lidi, adorei tua lista! A minha seria diferente...mas a paixão que demonstraste a cada comentário, dá até vontade de voltar a ser criança e redescobrir o mundo da leitura por esses livros!

Faltou só o ( very sad...) Andersen.

Uma família que instigue à leitura também é importante.

Lucky girl ;)

Liciane Brun disse...

Realmente, quem (que sempre gostou de ler) nunca começou a pré-adolescencia devorando livros da coleção vagalume?? Tambem a-do-ro o Sozinha no Mundo, é um dos livros que, junto com os juvenis do Pedro Bandeira, lembram muito meus 12, 13 anos...
muito bom teu texto! beijos, boa semana.

Nathália Guizolfi disse...

Olá!
Seu blog é ótimo, adorei o top com os seus livros, realmente é difícil encontrar quem não leu um exemplar da coleção vagalume. Eu adorava! Mas acho q o livro que mais me marcou foi Clarissa, do Erico Verissimo.
Precisa postar mais! vou aguardar.

Abraços

djbezzi disse...

Li muito a coleção vagalume, nunca esqueço do Escaravelho do diabo e Bem vindos ao Rio!
abs.

iarinha disse...

Ahhh..vc lia coleção vagalume?Virei viciada em livros, principalmente de detetive, por causa da coleção.

Gostei do seu blog!